Sintomas do ataque e manejo de nematoide em cenoura

A cultura da cenoura é acometida por diferentes patógenos, que muitas vezes inviabilizam a produção
Image

A cultura da cenoura é acometida por diferentes patógenos, que muitas vezes inviabilizam a produção. Destacam-se os fitonematoides responsáveis por grandes perdas no cultivo, constituindo-se em constante preocupação por parte dos produtores e interesse de pesquisadores.

Nematoides do gênero Meloidogyne possuem ampla gama de plantas hospedeiras, incluindo mais de duas mil espécies vegetais suscetíveis, dentre as quais figuram várias olerícolas, como abóbora, alface, berinjela, cenoura, pepino, tomate, pimenta, pimentão e outras.

O conhecimento da ocorrência destes agentes patogênicos permite a adoção de medidas conjuntas, principalmente preventiva, auxiliando o produtor na redução dos danos à cultura. A ocorrência destes patógenos não se limita apenas aos principais estados produtores como Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia e Rio Grande do Sul. Também encontra condições favoráveis ao seu desenvolvimento na região norte de Mato Grosso, causando perdas totais em áreas comercialmente cultivadas com cenoura.

Danos em cenoura

Os nematoides formadores de galhas (Meloidogyne spp.) representam um dos principais problemas fitossanitários em hortaliças nos trópicos. A estimativa de perdas varia muito entre as diferentes culturas. Em cenoura, podem chegar a 100%, dependendo de fatores como densidade populacional, suscetibilidade da cultivar, espécie de nematoide, classe de solo e condições ambientais, em especial, a combinação de cultivares suscetíveis plantadas em solos com altos níveis populacionais do patógeno. Todavia, mesmo em baixas infestações a produção pode ser comprometida em até 25%. As perdas geralmente ocorrem devido à redução na quantidade e na qualidade do produto colhido.

Os danos mais significativos são resultantes do ataque dos nematoides das galhas, geralmente, M. incognita e M. javanica que possuem maior distribuição territorial nas diferentes regiões brasileiras, embora outras espécies como M. hapla e M. arenaria sejam observadas em áreas isoladas do país. Na cultura da cenoura no Brasil, as espécies de Meloidogyne mais comuns são M. incognita e M. javanica.

Epidemiologia

Vários fatores interferem na reprodução e no desenvolvimento dos nematoides, como temperatura e umidade do solo. Temperaturas do solo em torno de 15ºC a 30°C são ótimas para a reprodução. Podem tornar-se inativos entre 5ºC e 15°C e entre 30ºC e 40°C. Abaixo ou acima desses limites, as temperaturas podem ser letais, dependendo do tempo de exposição. Quanto à umidade do solo, normalmente, a condição ótima para a planta é a ótima para o nematoide. Solos secos ou saturados de água são sempre desfavoráveis à sobrevivência desses nematoides. Assim, os principais fatores que afetam a sobrevivência e a movimentação de Meloidogyne no solo são a temperatura do solo, a umidade e a aeração.

Um aspecto importante do ciclo de vida desses patógenos é que a fêmea pode produzir em média 500 ovos a mil ovos depositados geralmente na superfície das raízes, podendo ser visualizados a olho nu. O ciclo de vida do nematoide é de 21 a 45 dias, dependendo das condições ambientais.

Sintomas

Os danos causados pelo nematoide das galhas (Meloidogyne spp.) são refletidos na parte aérea das plantas, com redução no desenvolvimento, amarelecimento e queda prematura das folhas, tamanho desigual das plantas, com vários graus de nanismo, além de murchamento nas horas mais quentes do dia, devido à redução da absorção e translocação de água e nutrientes pela planta hospedeira, decorrente do volume radicular reduzido e sistema vascular desorganizado, devido à formação de galhas.

Os sintomas típicos da doença em áreas com alta infestação, como observados na região de Alta Floresta, Mato Grosso, foram a presença de galhas nas raízes (conhecidas popularmente como “pipocas"), deformação, bifurcação e alteração na superfície das raízes (tornando-as ásperas), desenvolvimento da parte aérea reduzido, folhas amareladas, raízes com tamanho reduzido e deformadas devido à presença das galhas. Com a evolução da doença ocorre redução no peso das raízes, plantas com cenouras curtas, frequentemente bifurcadas, o que interfere na classificação comercial do produto.

Medidas de controle

Os métodos mais eficientes de controle de nematoides são a resistência genética e a rotação de cultura. Considerando que depois de introduzidos é praticamente impossível eliminar os nematoides do solo, e como a cenoura é uma cultura anual, os danos serão maiores quanto mais altos forem os níveis da população inicial no solo. Assim, medidas de controle que reduzam a população inicial ou diminuam a capacidade infectiva dos nematoides devem ser priorizadas:

- Prevenção: o impedimento da disseminação desses patógenos ao usar material de plantio livre de nematoides, evitar o trânsito de pessoas, animais, implementos e equipamentos agrícolas de áreas contaminadas para áreas livres, constituem as medidas mais importantes e o melhor princípio de defesa para controle de nematoides;

- Usar variedades resistentes ou tolerantes quando disponíveis: a resistência genética de plantas aos nematoides é um dos métodos mais eficientes e econômicos de evitar as perdas ocasionadas por estes patógenos. Vale ressaltar que, no Brasil, o desenvolvimento de cultivares adaptadas para cultivo, em especial cultivares tolerantes ao calor e com resistência às principais doenças de folhagem e com melhor qualidade de raiz, tem permitido a expansão das áreas de cultivo para as regiões Nordeste e Centro-Oeste do país, com realização de plantio e colheita o ano inteiro nestas regiões.

- Eliminação de restos de culturas e plantas hospedeiras: essa prática nem sempre recebe a atenção merecida pelos produtores. Na ausência da planta hospedeira, a sobrevivência dos nematoides é afetada por condições climáticas, como temperatura e umidade do solo. Após a colheita, as raízes de determinadas plantas continuam vivas por diversas semanas, servindo como fonte de inóculo de nematoides ou outros patógenos de solo.

- Rotação de cultura: é um dos métodos mais recomendados no manejo de nematoides em culturas anuais ou perenes de ciclo curto. A rotação com plantas não hospedeiras favorece a redução da população do patógeno. Em geral, dois anos de rotação sucessiva com gramíneas e leguminosas reduz drasticamente a população do nematoide no solo;

- Pousio: a manutenção da área sem o cultivo de qualquer planta, com aração e gradagens periódicas, seguidas da manutenção da área limpa e sem vegetação, pode reduzir substancialmente a população de nematoides no solo, chegando, no caso do nematoide-das-galhas, a 90% após 3-4 meses de pousio;

- Plantas antagonistas: são hospedeiras desfavoráveis, em que o nematoide penetra, mas poucos conseguem se desenvolver. É um dos métodos culturais mais estudados para o controle de nematoides. Dentre as espécies mais estudas, tem-se do gênero TagetesMucuna e Crotalaria. Tem-se verificado redução significativa da população de M. javanica em cenoura no Brasil, com uso de Crotalaria spectabilis e Tagetes spp., podendo ser, ainda, usadas como adubo verde;

- Controle biológico: representa importante alternativa de medida de controle de nematoides, por meio do uso de diversos predadores e parasitas, como bactérias, fungos, insetos e outros nematoides;

- Controle químico: os nematicidas registrados no Brasil para a cenoura são granulados do grupo carbofuran e devem ser usados adequadamente de acordo com as recomendações do fabricante;

Importante lembrar que plantas com sintomas de incidência de nematoides devem ser encaminhadas para análise em laboratório especializado, a fim de diagnose e adoção de medidas de controle adequadas.

Considerações finais

Cabe ao produtor e/ou profissional especializado fazer pesquisa prévia antes da instalação da cultura, para escolha da cultivar que melhor se adapte à região e, estar informado sobre os principais patógenos de ocorrência na área. Lembrando que são encontradas, normalmente, no mercado, sementes de várias cultivares de cenouras, sendo que cada cultivar tem características próprias quanto ao formato das raízes, resistência às doenças e, principalmente, quanto à época de plantio. Em se tratando de nematoides, considerar que os métodos mais eficientes de controle são a resistência genética e a rotação de cultura. Afinal, lugar de galhas não é nas raízes.

A cenoura

A cenoura (Daucus carota L.) é uma olerícola da família Apiaceae, do grupo das raízes tuberosas, cultivada em larga escala com ampla versatilidade culinária tornando-se uma das hortaliças mais cultivadas no mundo. Presente na alimentação dos brasileiros destaca-se entre as cinco principais hortaliças cultivadas no Brasil em ordem de importância econômica. Anualmente são cultivados mais de 25 mil hectares, o que resulta em uma produção de mais de 750 mil toneladas/ano

A parte comercial é a raiz pivotante, tuberosa, carnuda, lisa, reta e sem ramificações, de formato cilíndrico e coloração alaranjada, devido ao elevado teor de betacaroteno, sendo considerada a melhor fonte vegetal de vitamina A. Rica em carotenoides, potássio e fibras, a cenoura constitui importante alimento. O bom desenvolvimento da raiz é alcançado quando encontra ótimas condições físicas no solo para se desenvolver sem deformações.

Fonte: Revista Cultivar - https://bit.ly/2IQNygD

VEJA MAIS
Você está em
  • Envie sua duvida para a gente!

    Preencha todos os campos abaixo e registre sua duvida, nossa equipe de especialistas retornara seu contato o mais breve possivel.

Envie sua duvida para a gente!

Enviar mensagem
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cadastre-se no Portal
Receba notícias exclusivas sempre em primeira mão.
APROVEITE E BAIXE O APLICATIVO GRATUITAMENTE
FECHAR
FECHAR